Notícias quentes
Wii U – Primeiras Impressões

Wii U – Primeiras Impressões

Quando a Nintendo anunciou o sucessor do Wii, todo o foco ficou no estranho controle. Não houve porém o anúncio e revelação do hardware final (o console em si), o que gerou um grande número de discussões sobre o futuro da empresa. Mas com o tempo, a Nintendo conseguiu mostrar que, mais uma vez, ela …

Review Overview

Embalagem
Construção
Software
Inovação
Valor

Recomendado!

Summary : Mais uma vez a Nintendo mostra que poder gráfico não é tudo.

96

Quando a Nintendo anunciou o sucessor do Wii, todo o foco ficou no estranho controle. Não houve porém o anúncio e revelação do hardware final (o console em si), o que gerou um grande número de discussões sobre o futuro da empresa.

Mas com o tempo, a Nintendo conseguiu mostrar que, mais uma vez, ela espera mudar a forma com que os jogadores interagem com os jogos e que o hardware, inferior à concorrência, não é tão importante assim.

Desde o primeiro anúncio ficou claro que a aposta da Nintendo esta em seu novo controle: o GamePad (esse controle tablet que ilustra o post). Muito foi discutido sobre o que realmente esse controle poderia trazer para os jogos, afinal é um tablet controle ou um controle tablet? É grande, pesado, qual o sentido disso?

Creio que muitas dúvidas foram respondidas com o jogo ZombiU.

Fiquei interessado em comprar um Wii U por causa desse jogo. Tive problemas em conseguir encontrar um (nos Estados Unidos), devido à grande demanda (ou baixo estoque). Depois de três meses do lançamento, finalmente consegui por as mãos em meu novo console da casa do Mario

A caixa…

A embalagem do Wii U é grande e pesada. Suas dimensões são parecidas com a caixa do Xbox 360, mas ao abrir é impossível não ter um dejavú, a disposição dos itens (e as duas gavetas) são idênticas à experiência encontrada na embalagem do Wii.

O console e seu controle estão na gaveta de baixo, e todo o restante na de cima. Há duas versões a Basic Set (itens brancos) e a Deluxe Set (itens pretos), eu fiquei com a última, afinal espaço em disco nunca é demais.

A maior diferença entre as versões (fora as cores) está no armazenamento interno. 8GB no kit básico contra 32GB no kit de luxo. Porém há outros itens que fazem valer a pena comprar o kit mais caro: suporte (dois) para deixar o console na vertical, um suporte simples para o Game Pad, um suporte / base de carregamento para o Game Pad e um jogo incluso (Nintendo Land).

Sinceramente gostaria de ter um console branco na versão Deluxe, mas infelizmente isso não é possível (se conheço a Nintendo, ainda será possível comprar todas as versões em todas as cores do arco-iris).

Cabos, manuais e sacos plásticos…

Todos os itens são muito bem embalados, bem até demais. Cada acessório possui uma embalagem individual (vulgo saco plástico), os cabos possuem duas presilhas, uma externa para segurar tudo dentro do saco e outra para prender os fios em si. Posso garantir que ao acabar de desembalar tudo você terá um pequeno monte de materiais que irão para o lixo…

Como sempre a Nintendo esta de parabéns ao criar seus manuais. Dessa vez eles acertaram no tamanho e quantidade de informações (se você já viu o manual do 3DS sabe o que estou falando).

Uma coisa me chamou atenção (para pior), não é possível recarregar o Game Pad pelas portas USB. Para isso é necessário usar uma outra fonte (muito menor, mas que não deixa de ser um empecilho). O maior problema desta fonte é que seu cabo é curto, tive problemas em achar um lugar para carregar meu Game Pad em minha estante (que esta entulhada de consoles, controles, jogos, etc). E infelizmente não posso jogar e carregar ao mesmo tempo.

Primeira inicialização

No lançamento do Wii U todos tiveram a desagradável surpresa de que, antes de mais nada, é necessário atualizar o console. Isso não é uma exclusividade da Nintendo (passei por isso com o Xbox e o PS3), porém a atualização é lenta e dolorosa. Mesmo depois de três meses do lançamento o download demorou mais de duas horas e olha que possuo uma boa conexão com a internet.

Fico imaginando nas milhares de crianças que ganharam seu Wii U no natal e tiveram que esperar mais de 120 minutos (porque para uma criança um segundo é uma eternidade), para usar seu novo brinquedo. (ok, eu fiquei assim).

Aplicativos e interface

Depois de três horas, entre a instalação e atualização, consegui ter o prazer de utilizar meu Wii U. Não sou um grande fã do sistema da Sony (acho bonito, mas lento), gosto do sistema da Microsoft (feio, mas rápido), mas gostei do sistema da Nintendo. Limpo, fácil de usar e totalmente em português brasileiro.

A interface segue o já conhecido layout da Nintendo: botões grandes, textos limpos, sons e animações. Visualmente é impecável. Porém a troca de aplicativos demora de 10 a 20 segundos, pode não parecer muito, porém no uso diário chega ser cansativo, e frustrante.

Felizmente a Nintendo esta ciente deste problema e promete diminuir o tempo de carregamento dos aplicativos em atualizações futuras.

Assim que a primeira atualização termina é possível utilizar os aplicativos do Youtube, Netflix, Hulu, Amazon, etc. Algo que todos os consoles possuem, mas aqui vemos que os melhores aplicativos são os da Nintendo : Wara Wara Plaza e Miiverse.

Wara Wara Plaza

wii-u-wara-wara-plaza Vídeos do Youtube não conseguem demonstrar a experiência de uso. O Wara Wara Plaza pode parecer algo sem sentido (e sem utilidade), na verdade ele não esta lá para ser útil, esta lá para ser social, para demonstrar novos jogos e medir a experiência dos usuários.

Centenas de Miis chegam ao Wara Wara Plaza e se aglomeram abaixo dos ícones de aplicativos e jogos (os quais você pode ou não possuir). Você pode selecionar cada um desses Miis e ler o comentário do jogador sobre o jogo ou o aplicativo.

Vale comentar que a Nintendo monitora todas as mensagens postadas, porém isso não quer dizer que o conteúdo é censurado. Há tanto elogios quanto críticas para os jogos e isso é algo muito importante.

Miiverse

wii-u-miiverse Ao selecionar um Mii no Wara Wara Plaza, você pode ir até o perfil do jogador no Miiverse, a rede social da Nintendo (é possível acessar a rede a qualquer momento, até mesmo enquanto joga).

A rede é simples, uma mistura de Orkut (e suas comunidades) com Facebook (e seus likes).

Sinceramente eu achei que seria algo inútil e sem sentido, mas ao usar reparei que passei um bom tempo navegando entre as comunidades, postagens e visualizando os desenhos de outros jogadores.

O ponto forte da rede é que apenas proprietários do sistema podem estar presente. Com isso você sente afinidade com outros jogares de New Super Mario Bros. U ou ZombiU.

É possível pausar o jogo, criar uma nova publicação, adicionar capturas de tela (tanto da imagem que esta na televisão quanto a imagem do GamePad), pedir ajuda ou apenas comentar sobre o estágio atual do jogo.

Novamente, pode parecer algo inútil, mas se o seu círculo de amigos for grande e você empacar em alguma parte (ou bater o recorde de algum amigo) a interação social é um ponto muito positivo.

Qualidade na construção (ou o uso do Nintendium)

Tenho um amigo que é Gamer, escrevi isso pois ele possui todos os consoles, gosta de cada um a sua maneira, mas tem uma leve queda pela Nintendo (acho que todos da década de 80 são assim). Sempre percebi que a Nintendo possui uma ótima qualidade de construção em seus produtos e que seu plástico é algo específico. Basta pegar um aparelho da empresa que mesmo sem a marca visível você sabe que pertence a ela.

Esse meu amigo chama isso de Nintendium.

Quem possui um Game Boy, DS, DS Lite, 3DS… irá reconhecer na hora o tamanho e a textura dos botões A, B, X, Y. Ou a textura da caneta Stylus, ou os botões L e R. Enfim, a qualidade do console e seus periféricos é indiscutivelmente perfeita.

Conforto

O GamePad é a grande diferença neste console para qualquer outro. Ele é muito maior pessoalmente do que em fotos ou vídeos, mas é incrivelmente confortável. Seu peso não é mínimo, mas não é desconfortável. A disposição dos botões é excelente e é possível segurar o controle confortavelmente com apenas uma mão (afinal você precisa da outra para usar a caneta na tela).

A tela é resistiva, ou seja, não aceita múltiplos toques, porém possui uma ótima resposta aos toques, o que é muito bom, afinal seria ruim ter que usar a caneta para qualquer ação.

E, no fim…

Estou com o console há uma semana, posso garantir que usei todo meu tempo livre com ele. Até agora não tive problemas com a duração da bateria do Game Pad, nem com o uso de qualquer periférico.

A Nintendo tem uma grande luta pela frente, mas posso garantir que eles estão no caminho certo: a experiência do Wii U é única. Por mais que a ideia não seja inédita e dependendo de como os jogos e aplicativos utilizem este potencial, é possível ver que a história do Wii possa se repetir: um console fraco comparado com a concorrência, mas divertido para toda a família.

[]’s

Sobre a duração da bateria, encontrei sem querer uma bateria externa para o GamePad, como todo produto da Nintendo há nele portas e travas para acessórios e os fabricantes já perceberam isso. Se você acha que a bateria dura pouco, não deixe de conhecer o Uboost da Nyko. Não testei, porém conheço os produtos da empresa e são de ótima qualidade. Eles prometem aumentar a durabilidade da jogatina em duas vezes (ou 10 horas sem interrupção).

Curta O Gamer no Facebook!

Sobre Allan Christian

Apenas um nerd seguindo seu sonho: dominar o mundo!